Confira os 5 smartphones mais vendidos do ano de 2016.

Os smartphones tonaram-se indispensáveis em nosso dia a dia, afinal hoje eles possuem múltiplos recursos, que nos mantêm conectados praticamente 24 horas. Com as redes sociais então, ficou impossível não checá-los o tempo todo. Nesse sentido, esses dispositivos, há muito tempo ultrapassaram a função de apenas realizar e receber ligações.

Assim, não importa por qual motivo você o utiliza, a verdade que ao escolher um smartphone muitos aspectos podem ser levados em consideração. Com certeza os principais deles são as especificações e preço. Para te ajudar na busca pelo celular ideal, listamos os 5 smartphones mais vendidos de 2016.

1. Lenovo Vibe K5 A6020:

Fazendo parte da categoria dos celulares intermediários, o aparelho possui ótimo custo-benefício. Os destaques ficam por conta do seu acabamento em alumínio e a memória interna de 16 GB, a qual pode ser expandida para 32 GB. Além disso, sua câmera de 13 MP apresenta boa reprodução de imagens e gravação em Full HD, sendo este outro ponto positivo.

Principais especificações:

· Android 5.1 Lollipop

· Dual Chip

· Tela de 5 polegadas

· Câmera posterior de 13 MP

· Câmera frontal de 5 MP

· Memória interna de 16 GB, expansível até 32 GB (micro SD)

· Bateria com capacidade de 2.750 mAh

· Preço: em torno de R$750

Lenovo Vibe K5 A6020

2. Asus Zenfone Go ZB452KG:

No time dos smartphones mais básicos, este aparelho apresenta boas especificações e preço honesto. Suas características principais são: espessura de 11.2 mm, memória expansível de até 64 GB (com cartão micro SD) e tela de 4.5 polegadas.

Principais especificações:

· Android 5.1 Lollipop

· Dual Chip

· Tela de 4.5 polegadas

· Câmera posterior de 5 MP

· Câmera frontal de 0.3 MP

· Memória interna de 8 GB, expansível até 64 GB (micro SD)

· Bateria com capacidade de 2.070 mAh

· Preço: em torno de R$550

Asus Zenfone Go ZB452KG

3. Samsung Galaxy S7 G930F:

No nível dos aparelhos top de linha, este dispositivo é digno de aspectos invejáveis, sendo seus destaques: resistência à água e poeira, detecção facial, memória interna de 64 GB (expansível em até 200 GB, micro SD), gravação de vídeos em Full HD e espessura de 7.9 mm.

Principais especificações:

· Android 6.0 Marshmallow

· Capacidade para somente um chip

· Tela de 5.1 polegadas

· Câmera posterior de 12 MP

· Câmera frontal de 5 MP

· Memória interna de 64 GB, expansível até 200 GB (micro SD)

· Bateria com capacidade de 3.000 mAh

· Preço: em torno de R$3.000

Samsung Galaxy S7 G930F

4. Samsung Galaxy J7 2016:

Também na categoria dos smartphones intermediários, o aparelho tem dentre as suas principais especificações uma espessura fina de 7.8 mm, memória interna de 16 GB (com expansão de ate 128 GB micro SD), gravação de vídeo em Full HD e tela grande.

Principais especificações:

· Android 6.0 Marshmallow

· Dual Chip

· Tela de 5.5 polegadas

· Câmera posterior de 13 MP

· Câmera frontal de 5 MP

· Memória interna de 16 GB, expansível até 128 GB (micro SD)

· Bateria com capacidade de 3.300 mAh

· Preço: em torno de R$1.200

Samsung Galaxy J7 2016

5. Samsung Galaxy J5 2016:

Com funções avançadas para o seu preço de mercado, esse dispositivo possui interessante capacidade para armazenamento de arquivos. Além disso, realiza gravação de vídeos em Full HD, tem espessura de 8.1 mm e bateria duradoura.

Principais especificações:

· Android 6.0 Marshmallow

· Dual Chip

· Tela de 5.2 polegadas

· Câmera posterior de 13 MP

· Câmera frontal de 5 MP

· Memória interna de 16 GB, expansível até 128 GB (micro SD)

· Bateria com capacidade de 3.100 mAh

· Preço: em torno de R$900

Samsung Galaxy J5 2016

Gostou dessas dicas? Você compraria um desses smartphones?

Por Camilla Silva


Com um hardware potente o novo iPhone SE está conquistando vários clientes.

Quando o iPhone SE foi lançado oficialmente pela Apple no mês de março deste ano muita gente criticou o fato da empresa ter usado para o aparelho o mesmo design que foi apresentado no iPhone 5. A princípio a ideia do dispositivo (ao contrário do iPhone 5c que foi uma vergonha) era colocar à disposição dos consumidores um produto com um hardware potente para quem anda atrás de um aparelho mais compacto. Poucos meses depois de seu lançamento a empresa tem visto que acertou bem na escolha dos detalhes do SE. Até porque as expectativas de vendas vêm sendo superadas dia a dia.

De acordo com o AppleInsider as vendas andam tão bem que em algumas lojas os aparelhos praticamente desaparecem das prateleiras. Os varejistas, por sua vez, também passam por dificuldades para atender os interessados. Já há notícias de gente que está criando listas de espera para o iPhone SE.

A notícia de que um iPhone está vendendo bem não chega a ser tão novidade assim. Mas a curiosidade da questão está no fato da Apple ter fabricado tão poucas unidades do novo dispositivo a ponto de deixar faltando no mercado. Ao que parece nem mesmo a “dona” do SE acreditava que ele ia ter um sucesso tão grande.

A Apple por sua vez disse que aumentou a produção para 5 milhões de aparelhos por trimestre. Ainda assim, em um primeiro momento parece que a atitude não foi suficiente para atender ao mercado.

Em termos gerais tudo isso acaba sendo uma boa notícia para a Apple. Isso porque as vendas de smartphones da marca neste ano passaram por uma queda significativa.

No meio disso tudo analistas continuam acreditando que mesmo com o lançamento do iPhone 7 previsto para o segundo semestre, a companhia ainda poderá registrar uma redução superior a 15% no total de vendas para 2016.

iPhone SE:

Como dissemos o iPhone SE tem um visual bem parecido com o conhecido iPhone 5S. O aparelho conta com uma tela de 4 polegadas com resolução de 1136×640 pixels. Tem ganhado espaço no mercado por apresentar uma estrutura de configuração com um bom desempenho. Apesar de ter baixado (em alguns locais) os preços do SE passam facilmente dos R$2.300.

Por Denisson Soares

iPhone SE

Foto: Divulgação


Maio de 2015 registrou queda de 16% nas vendas de smartphones no Brasil. Previsões indicam que no trimestre a queda chegue a 12% ou mais.

Desde que os smartphones chegaram ao mercado brasileiro, foram apontados como o principal produto de consumo para os próximos anos e a previsão veio se confirmando ano após ano, com os novos lançamentos chegando ao mercado e os consumidores comprando os aparelhos, garantindo vendas acima da média, em comparação a outros itens, mas pela primeira vez no Brasil, a venda de smartphones apresentou baixa entre os meses de abril e a redução nas vendas para o segundo trimestre do ano pode chegar a 12%.

E a queda na venda dos smartphones não era esperada para o período de abril e maio, pois foi um período que contou com muitas novidades no setor, como o Galaxy S6, o LG G4 e até os novos modelos da Xiaomi que chega ao país trazendo seus aparelhos com valores bem abaixo do mercado. Mas nem isso foi capaz de impedir a queda nas vendas destes aparelhos que estão presentes no dia a dia de milhões de brasileiros.

No mês de abril, a queda nas vendas de smartphone no Brasil ainda foi pequena, ficando em apenas 1%, mas no mês de maio a queda nas vendas chegou a 16% surpreendendo até os mais pessimistas, pois os smartphones continuavam tendo uma boa procura, mesmo diante da crise que o país atravessa. Esta foi a primeira vez que a venda de smartphones no Brasil teve uma queda.

As vendas de smartphone no mês de abril chegaram a 4,86 milhões e em maio despencou para 3,89 milhões, de acordo com pesquisa feita pela IDC, empresa de consultoria que é especializada em tecnologia. A IDC previu que a queda para o trimestre chegue a 12% ou até mais.

A última previsão feita tinha informado um crescimento na venda dos smartphones em uma média de 5%, já que os meses de maio e junho são ótimos para o comércio, devido ao Dia das Mães e o Dia dos Namorados, mas nem estas datas foram capazes de impulsionar a venda dos aparelhos inteligentes.

Ainda de acordo com a IDC, o resultado esperado e a baixa venda confirmada são devido ao momento de crise que o Brasil atravessa. A alta do dólar foi alto fator que favoreceu a queda das vendas de smartphone. E com estes novos números, a IDC já está revendo os números de sua previsão para as vendas neste ano de 2015, que deverá ficar bem abaixo do que tinha sido previsto.

Por Russel

Venda de smartphones


Uma das principais reclamações dos usuários de smartphone é quanto à fragmentação do sistema e as péssimas configurações de muitos aparelhos de entrada. Isto por que muita gente não tem dinheiro pra comprar um aparelho top de linha e busca nos aparelhos de entrada uma opção mais sensata.

Grandes partes destas pessoas usam apenas para verificar redes sociais ou para ter um aparelho com mais funções. Algumas fabricantes acabam se livrando das reclamações, como a Motorola, mas é uma pequena parte, visto a enxurrada de aparelhos com preço baixo e qualidade inferior no mercado.

Pensando nisso, a Google tomou uma decisão que foi anunciada em junho, quando apresentou sua nova versão do sistema para o mundo. O programa se chama Android One e visa auxiliar as fabricantes para resolver a situação.

Funciona basicamente assim: a Google cria um padrão de aparelho com tela generosa de 4,5 polegadas, armazenamento interno com expansão via microSD, Rádio FM e possibilidade de se inserir dois chips com o sistema atualizado e as fabricantes colocam no mercado.

Essa parceria, segundo a gigante, começou na Índia e três empresas aprovaram tocar o projeto adiante: a Micromax, Karbonn e Spice, não tão conhecidas aqui mas bem populares por lá. Com isso, aparelhos que custam 100 dólares e com boa configuração se tornariam realidade.

O grande problema é que por lá o Android One vem sendo um fracasso de vendas. Isso, por que são poucos aparelhos disponíveis para compra, o que acaba dando brecha para os consumidores escolherem outras fabricantes.

Bem interessante também o fato de que os aparelhos estão parados e é um desafio aos lojistas. Como a Índia é o único país que vende o One, isso também é um problema visto que o retorno é muito pouco, dando prejuízo.

Com investimentos monstruosos em propagada e baixas vendas, os resultados são decepcionantes. Ainda não se sabe quando ele estará disponível ao redor do mundo. A idéia é boa, porém a logística precisa funcionar.

Por Leandro de Souza

Foto: divulgação


A Microsoft divulgou na última semana o lançamento do novo celular Lumia fabricado por ela mesma – sem a Nokia, e anunciou no dia 10/11 oficialmente a venda do produto na China, Hong Kong e Bangladesh, ainda este mês (com outros países “na sequência”), com o preço sugerido de 110 Euros (US$140, ou R$358, aproximadamente) e melhorias na placa.

O aparelho parece muito com as versões anteriores do Lumia, com uma diferença visível: o logo da Nokia deu lugar ao da Microsoft, tanto na frente, acima do display, quanto na sua colorida tampa traseira.

O novo modelo, que sai com o nome oficial de Lumia 535, com fortes indícios de ter o mercado asiático como público alvo, vem com câmeras frontal e traseira de 5 megapixels, processador quad-core de 1,2 GHz, 8 GB de memória – expansível até 128GB, e 1GB de RAM, aumento significativo em relação aos últimos modelos (630 e 635), bem como a câmera frontal extra, inexistente nestes dois últimos modelos, e dual-SIM.

O celular vem com a versão mais recente do Windows instalada, o 8.1, já com a atualização Lumia Denim, bem como uma série de aplicativos visando fidelizar os usuários, como Skype e OneNote, visando induzi-los a comprar outro Lumia quando quiserem trocar de aparelho.

O preço sugerido do dispositivo mostra uma estratégia de venda agressiva da fabricante, diante de uma configuração decente, seguindo os passos da antecessora Nokia e o campeão de vendas no último ano, o Lumia 520, responsável por 25% das vendas da linha, oferecendo um produto eficiente por um preço acessível.

A Microsoft optou por permanecer no ramo dos aparelhos celulares lançando o Nokia 130 a US$25 em agosto, porém o novo Lumia 535 é o primeiro contato com o que deve ser o padrão dos dispositivos da fabricante, numa linha de smartphones eficientes e utilitários a um preço que cabe nos menores orçamentos.

Por Felipe Foureaux Freitas

Lumia 535

Lumia 535

Fotos: Divulgação


Com os novos aparelhos surgindo no mercado dos eletrônicos, como o iPhone 6, por exemplo, outro mercado que também cresce rapidamente é o de revenda de aparelhos eletrônicos usados, principalmente smartphones e tablets. Plataformas recebem e avaliam os produtos, e caso queiram comercializar, os compram para revender. 

Apesar desse mercado ser novo para os brasileiros, já vem crescendo há algum tempo no exterior, principalmente no Reino Unido, e tem se expandindo para países como o Brasil, que vêm mostrando um grande aumento nas comercialização de aparelhos (35,6 milhões em 2013), e onde é observado também um intervalo curto de tempo nas compras de um aparelho para o outro (16 meses, em média), para cada consumidor, segundo os últimos dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. 

Esses números representam um aumento de 123% em relação ao ano anterior, e com a perspectiva para o futuro próximo, esse tipo de alternativa de revenda só tende a crescer também, pois além de gerar lucro ao usuário que deseja comprar um aparelho novo, também cria a possibilidade de pessoas terem acesso a aparelhos por um preço menor do que um aparelho novo no mercado. Ou seja, é bom para ambas as partes.

No Reino Unido esse tipo de comercialização é alta, chegando a trazer de volta para o mercado cerca de 50% de celulares usados (22 milhões de aparelhos). E o sócio-fundador de uma nova plataforma brasileira, a startup curitibana "ziggo", Guilherme Macedo, diz que se somente 1% dos aparelhos celulares, smartphones e tablets no Brasil voltarem para o mercado na revenda isso já daria um número consideravelmente alto.

"Se somente 1% dos aparelhos voltarem ao comércio pelas plataformas como a ziggo, isso corresponde a mais de 300 mil aparelhos", projeta Guilherme Macedo.

Macedo acredita que com a troca frequente de aparelhos realizada pelos consumidores, eles terão com esse serviço mais uma maneira de se desfazer de seus aparelhos antigos e ainda conseguindo gerar uma renda que poderá, inclusive, ajudar na aquisição de uma ferramenta eletrônica nova e mais moderna.

Por João de Azeredo Gameiro Alvares Calvet

Smartphones usados

Foto: Divulgação


Se você entende um pouco de tecnologia, provavelmente já deve ter ouvido falar sobre o lançamento do iPhone 6, a Apple anunciou recentemente que o número de pré-encomendas bateu recorde e ultrapassou 4 milhões de pedidos em 24 horas, esses dados demonstram que uma parcela significativa de pessoas em todo o mundo possui a necessidade de estar sempre acompanhando as novas tecnologias.

Antigamente o tempo para um aparelho eletrônico se tornar obsoleto era muito grande e quando isso acontecia os aparelhos antecessores entravam em desuso por serem bastante inferiores. Hoje em dia o cenário mudou, a tecnologia avança numa velocidade muito grande, os smartphones são a grande prova disso e apesar do mercado estar sempre inovando, os smartphones não perdem seu valor, pois a maioria deles atendem as necessidades dos usuários mesmo não sendo o grande lançamento do momento e isso é muito bacana porque impulsiona a economia e insere um número maior de usuários na rede. Quanto maior o número de pessoas conectadas maior o número de pessoas que possuem acesso à tecnologia, em uma visão bastante otimista, é possível supor que o uso de smartphones pode diminuir a exclusão social tecnológica.

Segundo a IDC (empresa líder especializada em inteligência de mercado), em pesquisa publicada recentemente, as vendas de celulares inteligentes ultrapassaram a marca de 13 milhões, com crescimento de 22% na comparação com o mesmo período do ano passado. Entre abril e junho, foram vendidos mais de 100 smartphones por minuto, dos aparelhos vendidos no 2º trimestre, mais de 90% são Android.

A revenda de smartphones é sintoma direto do resultado da pesquisa, já é assunto em redes sociais, grupos de discussão,  sites de compra e venda e os anúncios estão sempre bombando. Esse aspecto demonstra claramente que existe procura e interesse nesse mercado que se formou.

Para quem está migrando agora para os smartphones e não sabe o que fazer com o celular antigo, uma boa dica é o site RecicleCel, onde você pode doar seu aparelho celular e minimizar o impacto causado no ambiente pelo descarte incorreto dos aparelhos celulares, uma ideia sustentável que faz todo o sentido, afinal, temos que ter claro em nossas mentes que devemos criar ideias sustentáveis na mesma velocidade que criamos novas tecnologias.

Por Beatriz Duarte Baião

iPhone 6

Foto: Divulgação


Os smartphones estão cada vez mais comuns e já fazem parte do cotidiano de muitos brasileiros, que estão usando os aparelhos mais modernos para atividades que vão muito além de efetuar e receber ligações. Segundo dados da consultora IDC, os celulares vendidos no Brasil entre julho e setembro são em sua maioria smartphones, correspondendo a 10,4 milhões dos 17,9 milhões de celulares comercializados no período. Desse total, 90% são equipados com sistema operacional Android, o mais usado em todo o mundo.

Em relação ao mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 147%. Já em relação ao segundo trimestre de 2013, o aumento foi de 20%. Enquanto isso, as vendas dos celulares mais básicos tiveram uma redução drástica nas vendas, totalizando 33% de queda em relação a 2012 e 5% se comparado ao segundo trimestre de 2012. Um dos fatores que contribuiu para a popularização dos modelos foi a redução nos impostos para os aparelhos fabricados aqui.

O interesse dos brasileiros também foi um fator determinante no crescimento das vendas, apesar dos valores pesarem mais no bolso dos brasileiros do que em outros países. Quem possui um modelo mais básico migrou para um smartphone e quem possui um modelo de entrada já mudou ou pensa em mudar para um smartphone com mais recursos e com configurações mais atraentes. Sem contar que os acessórios e produtos para os celulares inteligentes também estão caindo no gosto dos brasileiros.

No mundo, os números também surpreendem. Somente no terceiro semestre, as vendas de smartphones chegaram a marca de 468 milhões de unidades, o que representa um aumento de 39% em relação ao mesmo período do ano passado. Em relação ao trimestre passado, o aumento foi de 9%. Segundo o IDC, a expectativa é que sejam comercializados mais de 1 bilhão de aparelho só no ano de 2013 em todo mundo. 

Por Robson Quirino de Moraes


A Apple reduziu aos fornecedores encomendas e peças para o para o iPhone 5C. A notícia veio há apenas três semanas após o 5C estrear em um evento de lançamento com o iPhone 5S.

A Apple afirmou que 9.000.000 iPhones 5C e 5S foram fabricados nos primeiros três dias após o seu lançamento, em 10 de setembro deste ano.

O consenso entre os analistas especializados neste segmento é que o 5S superou o 5C por uma margem considerável. Mesmo na China, onde os consumidores adquirem estes produtos como símbolos de status, a demanda pelo 5C estava em queda, sendo este um dos primeiros sinais de rejeição do aparelho.

Dentro de uma semana de lançamento o 5C já estava sendo vendido com desconto nos EUA onde alguns sites estavam dando desconto em aparelhos de até 16GB. O  iPhone 5C foi listado em seu site ao preço de  US$ 99. No início de outubro, a Best Buy ofereceu um desconto de US$ 50 no modelo.

Uma possível razão do iPhone 5C não ter atingido o sucesso pode ser  a estratégia de preços por parte da Apple. Seu preço é muito alto fora dos Estados Unidos, onde o mercado de smartphones é realmente forte.

iPhone 5C

Foto: Divulgação

Apesar de seu fraco desempenho até agora, a 5Cainda não está em um momento que podemos classificar como “seus últimos pés”.

A prova do mau desempenho do iPhone 5C só será confirmada quando a Apple liberar seus relatórios de venda. Os dois pontos de dados importantes para se considerar seria o número de iPhones embarcados e o preço médio de venda.

No geral, a redução da Apple em encomendas para o iPhone 5C e peças não diz muita coisa sobre o desempenho global dos novos modelos. O 5C provavelmente vai seguir a trajetória de vendas de outros iPhones do ano anterior.

Por Jaime Pargan


Ao que tudo indica, os novos telefones com o sistema do Firefox vão viajar de forma vagarosa pelo mundo até conquistar seu espaço. Para iniciar sua jornada, os primeiros celulares portando a navegação estão sendo vendidos nas lojas eletrônicas dos EUA e Reino Unido.

Os aparelhos disponíveis chegam em pouca quantidade, menos de mil unidades, e possuem baixa potência ZTE. As vendas chegaram a 985 telefones pelo eBay, a US$ 80 nos Estados Unidos, e 990 unidades a 60 libras pelo eBay britânico. Isso tudo com frete grátis.

Com menos de 2.000 aparelhos sendo usados pelo mundo, a equipe do Mozilla se mostra cuidadosa na chegada ao mercado, usando celulares baratos e de baixa potência para verificar a reação dos consumidores. O ZTE vem com um processador Single-Core de 1 GHz Qualcomm, tela de 3,5 polegadas, câmera frontal de 3 megapixels, 256MB de RAM e 512MB armazenamento.

Atualmente estão sendo disponibilizados apenas em três modelos ligados com as maiores operadoras de telefonia dos respectivos países. Parece que os desenvolvedores ainda estão com medo da reação do público, e estão enviando apenas uma amostra de seu potencial para depois mostrar do que são capazes.

Por Fábio G. Santos


O IDC recentemente liberou dados que mostram que aparelhos com o sistema operacional Android e iOS estão como sempre isolados na frente na venda de smartphones. Ambos os sistemas somam 92,3% das vendas totais de aparelhos.

Dentro dessa estatística, vale lembra que a Apple perdeu muito ultimamente. Mesmo tendo vendido 37,4 milhões de iPhones a empresa conta com apenas 17,3% das vendas. Já a sua principal plataforma concorrente domina cerca de 75%.

O Windows Phone também surpreendeu a pesquisa, já  que informações anteriores do IDC, o WP8 estava perdendo por 0,6% para a marca canadense BlackBerry. Mas recentemente conseguiu passar até 0,3% à frente da empresa. O sistema da Microsoft hoje em dia conta com 3,2% das vendas totais de smartphones.

Em relação ao sistema Android que é o grande líder de mercado mundial, recentemente durante o evento I/O realizado pelo Google, foi divulgado que existem no mundo 900 milhões de aparelhos utilizando o sistema, algo que deixa claro que a empresa está indo no caminho certo para ser de vez a grande líder do segmento.

Devemos lembrar que as informações divulgadas pela IDC são em relação às vendas mundiais de aparelhos e apenas do  primeiro trimestre de 2013.

Por Henrique Nicolau


Galaxy S4: 6 milhões de unidades vendidasAs previsões sobre o sucesso do novo smartphone top de linha da Samsung estavam certas e o aparelho se tornou muito popular rapidamente: a empresa já distribui cerca de 4 milhões de aparelhos para lojistas ao redor do mundo. Segundo o site The Chosun llbo esses aparelhos foram distribuídos em um prazo de apenas 4 dias.

Uma comparação entre seu irmão mais novo, o Galaxy S3 levou em média 21 dias para conseguir quebrar a  marca dos incríveis 3 milhões de unidades distribuídas. Segundo  um executivo da própria Samsung, até a última sexta-feira (10/05) cerca de 6 milhões de unidades do novo smartphone já estavam vendidas e ele acredita que até o final do mês de maio esse número chegue a marca dos 10 milhões. Lembrando que esse número de vendas vale apenas para a venda de operadoras e revendedores, sendo assim um número bem maior de pessoas já pode ter adquirido o aparelho.

Esses incríveis números são a prova viva de que a Samsung chegou para brigar pelo posto de smartphone mais vendido, posto esse que disputa com sua principal concorrente, a Apple com o iPhone.

Por Henrique Nicolau


A finlandesa Nokia apresentou os lucros trimestrais graças à bem sucedida venda do Lumia. No primeiro trimestre, a companhia vendeu 5,6 milhões aparelhos Lumia. É um recorde para a empresa, porém ainda continua abaixo dos seus concorrentes: a Samsung vendeu mais de 60 milhões de smartphones, por exemplo.

A Nokia vendeu 2 milhões de Lumias no quarto trimestre do ano passado, o que é um salto significativo. Até 31 de março, a empresa vendou 19,9 milhões de Lumias no total, sendo lançado o primeiro dispositivo com Windows Phone, o Lumia 800, em novembro de 2011.

As vendas na América do Norte caíram, anteriormente a Nokia vendeu 700 mil dispositivos, atualmente ela vende 400 mil, um declínio de 33% em um ano.

As vendas de outros dispositivos, como o Asha, também não andam bem, o número de vendas caiu em 25% e a receita caiu em quase um terço.

Porém, as receitas aumentaram em grande parte da China, beneficiando a Nokia com as vendas do Lumia, mas globalmente, as receitas ainda estão abaixo do esperado, depois que a empresa decretou o fim do Symbian.

Dados de Horace Dediu, da Asymco, sugerem que as vendas de unidades Symbian estão caindo rápido, e que as vendas do Windows Phone estão aumentando, sugerindo que a Nokia precisa continuar empurrando sua linha Lumia a preços mais baixos.

Por Atila Felipe


A ascensão da Samsung no mercado de eletrônicos está cada vez maior e atendendo a esta demanda a Samsung informou que pretende entregar no ano de 2013 aproximadamente 510 milhões de celulares no mercado mundial.

De acordo com o site CNET, deste total de aparelhos 120 milhões seriam de telefones comuns – conhecidos como feature phones – e 390 milhões seriam de smartphones.

Além disso, a Samsung informou que pretende aumentar seus aparelhos que possuem dispositivos compatíveis com o Windows 8 e com a tecnologia LTE para usar conexão na rede 4G.

Por Ana Camila Neves Morais


O acirrado mundo dos smartphones possui mais um componente, pois acaba de ser lançado o “xing-ling” Meizu MX2.

Este modelo possui um processador quade-core de 1,6 GHz, tela de 4,4 polegadas, design com espessura em fina.

Além disso, este gadget possui sistema operacional Android 4.1 Jelly Bean, câmera com resolução de 8 megapixels e uma memória de até 2 GB.

Fonte: Tudocelular.com

 

Com todas estas qualidades, o Meizu MX2 chega ao mercado mundial de telefones podendo concorrer de forma direta com gigantes como o Samsung Galaxy SIII e o Google Nexus 4.

As suas vendas serão iniciadas ainda neste mês de dezembro com valores a partir de R$800,00.

Por Ana Camila Neves Morais


O novo Lumia 920 é a grande aposta da Nokia para a disputa acirrada entre os smartphones tops do mercado.

Nesta semana o Lumia 920 foi regularizado e devidamente homologado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e já está autorizado para ser vendido no Brasil.

O novo aparelho da Nokia chega às prateleiras tupiniquins em março de 2013 já com o suporte confirmado para a internet 4G e usa o sistema operacional Windows Phone 8.  

As principais novidades do Lumia 920 são a câmera e o flash na posição horizontal, além de possuir lentes Carl Zeiss e a função PureView, que garante fotos perfeitas mesmo em ambientes com pouca iluminação e sem o uso do flash.  

Um diferencial do Lumia 920 é a sua compatibilidade com acessórios Wireless. Um deles é o carregador sem fio Fatboy DT-901, uma "almofada" capaz de recarregar o aparelho por indução, sem a necessidade alguma de conectar qualquer cabo no aparelho.

Outros modelos de carregadores sem fio também são compatíveis com o novo Lumia 920, são eles: DT-900 e o DT-910.

Outro acessório diferente e muito interessante é o alto-falante portátil JBL PlayUp, que possui a tecnologia NFC. Bastando aproximar o aparelho do speaker para que o smartphone seja reconhecido muito rapidamente e o som passe a ser transmitido via Bluetooth sem nenhum atraso. 

Por Bruno Mathiuzzo





CONTINUE NAVEGANDO: