Aparelho terá três versões que devem agradar em cheio os amantes de smartphones com telas grandes.

A Xiaomi, embora seja uma empresa extremamente nova, já aparece como uma das marcas mais fortes e com maiores investimentos no mercado chinês e até mesmo mundial. Seguindo essa tendência, a empresa acabou de anunciar o seu novo smartphone, o Mi Max, phablet da empresa que conta com boas configurações técnicas e deve atrair o público que adora telas maiores para assistir a vídeos na Internet e acessar a rede, se tratando ainda de um aparelho compacto mesmo com seu tamanho.

O dispositivo aparece em três versões, todas com características equilibradas, não havendo muita diferenciação entre o poder do processador e a quantidade de memória RAM, por exemplo. O aparelho é feito totalmente em metal e conta com leitor de impressões digitais, características bastante atraentes para um dispositivo desse nível. O preço também pode ser considerado bom, apresentando um excelente custo-benefício final ao consumidor. Confira.

Para diferenciar as três opções de seus dispositivos, a empresa apostou em variantes mais potentes e menos potentes, ao invés de simplesmente seguir o padrão do mercado, de alterar a quantidade de armazenamento interno e memória RAM de um dispositivo para o outro.

A primeira versão do Mi Max conta com 3GB de RAM, 32GB de armazenamento interno e o processador Snapdragon 650. Das três versões, esta é a mais simples. A segunda versão do smartphone da marca chinesa conta com 3GB de RAM, 64GB de armazenamento interno e o processador Snapdragon 652.

Já a última e mais potente versão do dispositivo conta com 4 GB de RAM, 128GB de armazenamento interno e o processador Snapdragon 652.

Em comum em todas as versões, temos a tela de 6,44 polegadas, placa gráfica Adreno 510, câmera traseira de 16 megapixels e frontal de 5 megapixels, acesso ao 4G, leitor de impressões digitais, sensor infravermelho, bateria de 4.850 mAh e o Android Marshmallow 6.0 como sistema operacional.

Por enquanto, a data de lançamento ainda não foi definida pela empresa, mas o preço do dispositivo e as cores, cinza claro e dourado, já foram divulgados. A tendência é que o aparelho seja lançado primeiro na China e depois nos demais mercados, porém, os preços já foram revelados pela Xiaomi.

Em sequência, de acordo com o mencionado na matéria, a primeira versão custará US$ 230 ou cerca de R$ 810. Já a segunda versão custará US$ 260 ou cerca de R$ 915, enquanto que a versão mais potente do dispositivo custará US$ 300, algo em torno de R$ 1.055, sempre desconsiderando os impostos, é claro.

A empresa possui suporte no Brasil e há a possibilidade do dispositivo ser lançado por aqui, ao menos uma de suas versões.


Novo modelo poderá vir com o chipset mais avançado da Qualcomm e o mais aguardado deste ano.

A Microsoft parece estar disposta a investir cada vez mais no mercado de Phablets. Após o bom lançamento do Lumia 950 XL, a empresa norte-americana pretende ouvir as sugestões e reclamações dos usuários e lançar um novo phablet.

O Lumia 950 XL é de fato um bom aparelho, porém, foi alvo de diversas reclamações por ter vindo com o chipset Snapdragon 810. Para isso, a Microsoft pretende implementar em seu novo phablet, o chipset mais avançado da Qualcomm, o Snapdragon 820, SoC extremamente aguardado para este ano.

Os rumores são graças ao Banco de Dados da GFX Bench, que revelou um novo aparelho da empresa, ainda sem nome, mas já com as especificações de mercado.

O phablet seria lançado com 6 Polegadas e resolução Quad HD. Ainda consta o esperado chipset Snapdragon 820 quad-core Kryo com 2,2 GHz e placa gráfica Adreno 530. A decepção fica para a memória RAM, que contaria com apenas 1,5 GB, que pode até mesmo ser insuficiente diante das configurações de hardware do aparelho.

Por outro lado, o phablet viria com 64GB de armazenamento, estando 21GB em uso pelo sistema e apps nativos, ou 43GB livres para os usuários. Sistema Operacional que, segundo o relatório, será o novo Windows Phone 10.

A câmera é um bom atrativo, sendo a principal. de 20 Megapixels e a frontal de 12 Megapixels. Deve ser um bom chamativo para os usuários mais jovens, com a onda da selfies.

Porém, a informação não é certa, já que o site não diz a empresa fabricante do aparelho. Recentemente foi comentado que a HP, teria interesse em dar início à produção de smartphones com o Windows Phone, o que coloca em dúvida se o aparelho pode ou não ser da Microsoft.

Ainda não há nenhuma previsão para o lançamento do aparelho ou demais informações, tratando-se ainda de um ''mistério'', mas a expectativa é que novos rumores devem surgir em breve.

Por Isis Genari

Novo phablet da Microsoft

Foto: Divulgação


Novo modelo tem uma aparência totalmente metalizada, oferecendo um design premium.

A chinesa Xiaomi anunciou nesta semana o lançamento de um novo produto para os consumidores na China. Trata-se do seu novo phablet, o Redmi Note 3.

Um dos aparelhos mais esperados do ano pelos consumidores chineses, o sucessor do Redmi Note 2 promete ter um desempenho acima do esperado e desempenhar funções que agradarão até os mais exigentes.   

O Redmi Note 3 conta com uma aparência totalmente metalizada, o que lhe entrega um design premium. Apesar de ser bastante atraente, o visual do aparelho não é muito diferente dos aparelhos anteriores. O peso e a espessura continuam muito similares, o que não mostra uma grande evolução da Xiaomi em quesitos estéticos. No entanto, as especificações técnicas ganharam alguns upgrades de darão mais potência para o smartphone.  

O dispositivo chinês apresenta um sensor biométrico, o primeiro da Xiaomi com tal recurso. Diferente dos iPhones e similar a nova linha Nexus do Google, o sensor de leitura digital fica na traseira do aparelho. A fabricante garante que o desbloqueio do aparelho aconteça de maneira bem rápida, em apenas 0,3 segundos. Há também a possibilidade de utilizar o recurso para a realização de pagamentos mobile.   

Ele conta com uma tela de 5,5 polegadas de 1080p. Seu processador é o MTK Helio X10 de 64 bits e de oito núcleos rodando a 2,0 GHz. Há duas versões do aparelho, uma com 2 GB de memória RAM e outra com 3 GB, o que garante um excelente desempenho, principalmente no multi-tarefa. Mas, não é só isso. O Redmi Note 3 conta com 16 GB ou 32 GB de armazenamento interno, bateria de 4.000 mAh, conectividade 4G, Dual SIM e WiFi 802.11ac. Ele tem uma espessura de apenas 8,65 mm no ponto mais fino e pesa cerca de 165 gramas.   

Equipado de fábrica com o Android 5.1.1 (Lollipop), o aparelho vem com a interface MIUI 7, amplamente conhecida nos aparelhos da Xiaomi. A câmera traseira de 13 MP tem autofoco bastante rápido e flash em dois tons. Já a câmera frontal de 5 MP permite a escolha de 36 "perfis inteligentes" que ajudam na hora do selfie.  

Infelizmente, ainda não há previsão de chegada do Redmi Note 3 para o mercado brasileiro e nem mesmo nos Estados Unidos. Ele está disponível para venda na China nas cores prata, ouro e cinza (dark grey). Será comercializado em dois modelos: um com 2 GB de RAM e 16 GB de armazenamento e outra com 3 GB de RAM e 32 GB de armazenamento.

Por William Nascimento

Xiaomi Redmi Note 3

Xiaomi Redmi Note 3

Fotos: Divulgação


Usando peças bem potentes, a Xiaomi disponibilizou uma dupla de phablets em um evento ocorrido no dia 15 deste mês. Embora as configurações técnicas sejam atrativas, o design com bordas ínfimas e estrutura pouco curvada também merece ser considerada. Surpreendentemente, somente renderizações foram disponibilizadas pela empresa, retirando o fator “real” do novo modelo Mi Note. No momento atual, é possível ver um dos dispositivos “ao vivo”.

Por meio de imagens disponibilizadas no conhecido fórum asiático My Driver, existe a possibilidade de ter conhecimento do Mi Note em toda a sua estrutura, tendo as especificações adotadas pela empresa em sua produção mais atual. De forma negativa, apenas o aparelho na cor branca está disponibilizado nas imagens, entretanto, a versão escura não deve demorar para ser disponibilizada no futuro em uma galeria com muitos cliques.

Percebe-se que a companhia concentrou-se nas especificações do Mi Note, produzindo uma estrutura onde a utilização de chanfros é além do comum e o metal garante a segurança das bordas contra choques, como também passar uma sensação de proteção ao segurar o aparelho na palma mão. Além disto, os outros detalhes da parte visual já estiveram presentes em aparelhos antecedentes da empresa, onde pode-se citar o Mi 4.

O dispositivo terá uma tela LCD de 5.7 polegadas com resolução full HD (1920 x 1080 pixels), memória RAM de 3 GB, chipset Qualcomm Snapdragon 801 com CPU de quatro núcleos funcionando a 2.5 GHz cada. Ele também possuirá Adreno 330 para os gráficos, 16 ou 64 GB de armazenamento interno, sua câmera principal terá 13 megapixels, enquanto a câmera frontal terá 5 megapixels, a bateria terá 3000 mAh e o sistema será Android 5.0 Lollipop com interface MIUI UI.

Somado a Mi Note, existe a versão Pro com características melhores como display quad HD (2560 x 1440 pixels) e chipset Snapdragon 810, que poderá ser a linha constante para aparelhos lançados este ano.

Por Felipe Couto de Oliveira

Xiaomi Mi Note

Foto: Divulgação


Com as diversas inovações no mercado de smartphones, a cada dia que passa as empresas desses produtos precisam lançar novidades para continuarem competitivas. A exemplo disso, a Huawei lançou um phablet (combinação de tablet com telefone) com duas câmeras traseiras, o 6 Plus.

A ideia é disponibilizar para os usuários um aparelho que seja capaz de tirar fotos com qualidade muito maior do que as outras opções no mercado. Os dois sensores possuem resolução de 8 megapixels, com pixels de 1,98 microns.

O foco da dupla câmera está em melhorar as fotografias em ambientes com baixa luminosidade. Além disso, pelo fato dos sensores estarem dispostos horizontalmente em linha, é possível criar um efeito de terceira dimensão ao mover o aparelho durante a captura.

Além disso, ainda é possível trabalhar no foco de uma forma diferenciada, mesmo após a foto ter sido tirada.

Além do ponto alto que é a câmera, o aparelho possui uma tela bem grande, de 5,5 polegadas, que é o diferencial dos phablets, com resolução Full HD. O processador é o Huawei Kirin 925, octa core, de 1,8 GHz cada.

A memória RAM do dispositivo é de 3 GB, enquanto que a memória de armazenamento é disponibilizada em duas opções: 16 GB ou 32 GB. Porém, isso deve ser levado em conta no momento da compra, pois se o usuário não tiver necessidade de sua memória ser interna, ele pode comprar o de 16 GB e expandir o espaço de armazenamento com cartão Micro SD.

Além da dupla câmera traseira, o 6 Plus também possui dois sensores de foto na parte frontal, totalizando então 4 câmeras em um único aparelho. O sistema operacional que virá de fábrica nesse phablet é o Android 4.4.4 KitKat.

O Huawei 6 Plus ainda está restrito ao mercado chinês, porém ainda é cedo para dizer se ele será disponibilizado em outras regiões do mundo, inclusive no Brasil. São disponibilizadas duas opções de cores para o aparelho e estas saem por preços diferentes.

O aparelho de cor prata custa a partir de US$ 320, enquanto que a versão dourada está disponível a partir de US$ 400.

Por Rannier Ferreira Mendes

Huawei 6 Plus

Huawei 6 Plus

Fotos: Divulgação

 


O mundo Apple não para, e cada vez mais quer surpreender seu público fanático pelos seus produtos e desta vez a empresa está trabalhando no desenvolvimento de um phablet.

No mês de março deste ano já veicularam na internet algumas informações sobre as especificações do aparelho que a priore teria tela de 5,5 polegadas.

Na web ainda foi possível ver algumas informações de que a empresa já havia adquirido fornalhas suficientes para a produção de 200 milhões dos painéis para os aparelhos. Recentemente, entretanto foi veiculado também na internet que o aparelho teria na verdade a tela de 5,44 polegadas feita de cristal de Safira, mas há informações também de que a empresa vem encontrando dificuldades em sua produção em virtude dos custos necessários para fabricação do aparelho usando este material. O iPhone já usa este material na lente da câmera, mas usá-lo no desenvolvimento de uma tela inteira é um processo mais complicado.

A tela dos phablets é maior do que as telas convencionais de dispositivos móveis o que torna os custos mais altos, mesmo quando falamos de uma gigante como a Apple, em virtude disso a empresa planeja diminuir a estimativa de produção que antes era de 200 para 10 milhões de aparelhos.

De acordo com informantes que atuam no desenvolvimento do aparelho, a tela de cristal de Safira do tamanho necessário para uso no phablet custa US$ 280, o que obrigaria a Apple a aumentar consideravelmente o preço de venda do aparelho,  o que em contrapartida diminuíra drasticamente suas estimativas de vendas.

Em virtude dos fatores em discussão para o lançamento do aparelho, a possibilidade agora é que o mesmo seja lançado apenas no próximo ano ao invés de junto com o iPhone de 4,7 polegadas como era a proposta inicial de lançamento.

De qualquer modo, o desenvolvimento do phablet só evidencia o crescimento do portfólio de produtos da Apple e os fãs aguardam com ansiedade para mais esta novidade da marca.

Por Jaime Pargan

iPhone 6

Foto: Divulgação


Você não precisa ser especialista ou um grande entendedor do universo dos smartphones para notar o considerável e constante crescimento nas dimensões dos dispositivos, seja ele um smartphone, tablet, ou até mesmo um celular comum. Esta observação foi comprovada  outra vez, e parece que a LG é o próximo da lista a alterar as dimensões de seus aparelhos. Ainda sendo muito novo no mercado e com muitas expectativas em torno de si, o high-end G Pro 2 é considerado um telefone de grande porte, com 5,9 polegadas.

Isso é um salto considerável de seu antecessor, que tinha  5.5 polegadas – o original G Pro.  Mas, por enquanto o fator da forma phablet pode ter sido algo empurrado goela abaixo pelos fabricantes inicialmente, não há como negar que a resposta do público mais amplo tem sido extremamente positiva. A demanda por phablets é agora grande o suficiente para que cada fabricante de celulares esteja desenvolvendo formas para obter um phablet da sua própria marca no mercado.

Com  um potente 2.3GHz quad-core Snapdragon 800 e 3GB de RAM, o G Pro 2 lida com tudo e qualquer coisa que você jogue  nele, com delicadeza, o mesmo tipo de resultados são obtidos pela câmera. A unidade de 13MP opticamente estabilizado na parte traseira do telefone. Antes de ter como base nossa análise, no entanto, queira levar em conta  que a nossa unidade de análise é a versão coreana, que pode diferir em alguns aspectos do modelo internacional que esperamos chegar às costas da Europa e dos Estados Unidos nos próximos meses. Ainda estamos esperando a LG para lançar mais alguns detalhes específicos do aparelho, como a disponibilidade de operadora e data de lançamento. 

Itens que acompanham o aparelho:

– Carregador de parede;

– MicroUSB para cabo USB;

– Fones de ouvido;

– Secundário, bateria 3300mAh (disponibilidade Internacional);

– Dock com um slot de carregamento da bateria (disponibilidade Internacional).

Vamos aguardar mais essa novidade no mercado.

LG G Pro 2

Foto: Divulgação


Existem smartphones  que não precisam de apresentações. O Acer Liquid S2, no entanto, não é um deles, e até agora parece que o dispositivo premier phablet da empresa de Taiwan não tem conseguido deslanchar no mercado. Mas isso não deve desanimá-lo de analisar o S2 Liquid quando estiver à procura de um phablet em algum momento no futuro próximo.

Os itens que acompanham o aparelho na caixa são:

  • Carregador de parede;
  • MicroUSB para carregador USB;
  • Fones de ouvido.

Tal como acontece com qualquer outro phablet de respeito lá fora, a primeira coisa que atrai a atenção do consumidor em relação ao design  é o tamanho do dispositivo. O Acer Liquid S2 é gigante, mesmo para os padrões phablet, e é um dos maiores de 6 inchers lá fora. O que é ainda maior, em 8,15 onças (231 g).  Não conseguimos encontrar um smartphone mais pesado nesta classe. O volume rocker  e botão de energia são ambos conservadores quanto a quantidade de feedback fornecidos. 

O  aspecto mais importante, que seriam as teclas de navegação capacitivas, não ajudam em nada – eles são empurrados na parte inferior do dispositivo. Tudo isso se traduz em  pobreza de praticidade. Deixando o tamanho e conforto de lado, o S2 Liquid é na verdade um dispositivo atraente, especialmente com a variante vermelha que temos em mãos. O design de moda, no entanto, é diminuído pelas inúmeras abas, portos e enfeites de estilo. A parte da frente – o seu olhar típico Android – é separado pela assinatura ‘’fone Acer’’  e uma grade de cor vermelha. Na parte de trás, nós instintivamente focamos o módulo da câmera bastante singular, com flash quad – uma característica distintiva da S2.

 Abaixo fica o logotipo da Acer, magistralmente gravado no próprio reservatório de plástico, seguido por um pronunciado crachá Dolby Digital Plus. A Acer também colocou uma dupla de alto-falantes do lado esquerdo do dispositivo, que deve  proporcionar uma experiência de áudio estéreo adequada, agregando qualidade e valor ao áudio produzido pelo dispositivo.

Por Jaime Pargan

Acer Liquid S2

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: