Uma grande pesquisa realizada pela Flurry nos meses de janeiro a março desse ano apontou que em média os americanos gostam mais tempo nos aplicativos de seus celulares do que na própria internet. Segundo a pesquisa, somente 14% do tempo disponível as pessoas ficam na internet e 86% do tempo elas usam pra ficar nos apps.

Para te ajudar na conta, em média o americano passa 2 horas de 42 minutos do dia no celular, desse tempo 2 horas de 19 minutos são destinados para os aplicativos. Grandes navegadores como o Safari e o Crome são responsáveis somente por 22 minutos de atenção.

Essas informações importantes podem ser um espelho da habilidade e conhecimento dos usuários de aplicativos, pois eles passam o maior tempo nesse segmento. As empresas também são grandes responsáveis por essa grande porcentagem, elas preferem investir em aplicativos para celular a aperfeiçoar seu site para usuários mobile.

A grande responsável pela pesquisa, a empresa Flurry, fez uma maior análise nas categorias dos apps mais acessados. Confira abaixo:

Os aplicativos de jogos são os mais explorados pela população, eles são responsáveis por 32% do tempo total gasto no celular, tanto no iOS como no Android. Logo em sequência vem o famoso Instagram e Facebook, que fazem parte da categoria rede social, as pessoas gastam 17% do tempo nessas redes. E em terceiro lugar vêm os outros aplicativos de rede social e de mensagens instantâneas, chegando a alcançar 28%.

Já 8% do tempo dos norte-americanos são usados para os aplicativos de entretenimento, seguindo essa categoria está o YouTube. Entretanto, o Facebook e o Google possuem muitos apps móveis, mas os dados do estudo mostram que isso ainda é muito fragmentado, pois existem vários aplicativos que estão se tornando populares, como é o caso do Snapchat, Pinterest e Spotify.

Por Juliana Almeida


A geração multi-toque, como é conhecida, veio para modificar completamente a forma como as fabricantes projetam e desenvolvem seus produtos. Há dez anos atrás, os jovens estavam começando a conhecer um pouco mais sobre mídias sociais e a internet não era da forma como a conhecemos hoje. Os celulares pesavam meio quilo e funcionavam muito bem somente para realizar ligações. Os aparelhos top de linha daquela época permitiam jogar tetris e snake e tinham até um teclado legalzinho. No entanto, isso tudo mudou e até mesmo a utilização de botões atualmente é algo obsoleto, a não ser que eles tenham um leitor biométrico altamente sensível.

Em um estudo recente realizado, adolescentes americanos foram questionados se abandonariam seus smartphones high-tech por um carro. Incrivelmente, 65% dos estudantes disseram que não, o que mostra a importância e o valor que o dispositivo tem para esse público em especial. Somente para termos de comparação, nos anos 80 e 90, se um jovem americano tivesse o seu próprio carro, ele era considerado mais “cool” entre os colegas.

Assim como a geração passada, essa nova turma também serve como um reflexo do futuro dos aparelhos eletrônicos. As mídias sociais são as grandes responsáveis pelo sucesso dos smartphones, já que além de serem bonitinhos, eles também são sinais de status entre os amigos, assim como os carros de antigamente. Sabendo disso, as empresas apostam em aparelhos cada vez mais simples por fora e altamente funcionais. Além disso, jamais deixam de consultar os jovens de hoje, que são a principal engrenagem que dita as regras dessa indústria.

Ebenézer Carvalho


Nesta quinta-feira, dia 27 de dezembro de 2012, a Pew Internet & American Life Project divulgou o resultado de uma pesquisa interessante.

Segundo o estudo feito cerca de 23% dos entrevistados nos Estados Unidos estão preferindo ler livros digitais do que os modelos tradicionais impressos, sendo este valor maior do que os 16% registrados anteriormente.

Em contra-partida a quantidade de norte-americanos que lêem livros impressos ficou em 67% valor menor do que os 72% registrado na última avaliação.

Esta estatística combina com outros indicadores que mostram um aumento no número de dispositivos móveis como tablets e e-readers que facilitam esta situação; além disso, as bibliotecas estão iniciando a realizar o empréstimo de e-books.

Por Ana Camila Neves Morais


A ForeSee divulgou nesta quinta-feira, dia 27 de dezembro de 2012, os resultados da pesquisa Holiday E-Retail Satisfaction Index que buscou identificar o melhor serviço na internet para a realização de compras.

E o site vencedor foi da empresa americana Amazon com 88 pontos de um total de 100 pontos e que obteve o título de melhor site para compras online pela facilidade no uso do site além da grande variedade de produtos disponíveis.

Atrás da Amazon, ficaram sites como a Apple Store com 80 pontos e o site da Dell especializada em produtos de informática com apenas 77 pontos.

Por Ana Camila Neves Morais


Foi realizada uma pesquisa pela InMobi, uma empresa de anúncios para celulares, onde foi constatado que a população americana, em geral, gasta mais tempo usando seus respectivos celulares do que qualquer outra mídia – como TV ou rádio – durante o dia.

Outro fato importantíssimo constatado pela pesquisa é que o celular é a mídia que mais influencia na decisão de compra de 59% dos entrevistados. O resultado é surpreendente porque significa que as pessoas estão informando-se muito mais pelos seus telefones celulares e interessando-se muito mais pelos anúncios veiculados nos telefones celulares do que na televisão, que vem perdendo nessa disputa. Os computadores aparecem em último lugar influenciando a decisão de compra dos usuários.

Com o grande avanço tecnológico dos celulares e iPhones, eles tornam-se cada vez mais interativos, deixando-nos com vontade de utilizá-los seja para entretenimento (com os milhares de aplicativos e jogos), para efetuar uma comprar, acessar o e-mail ou procurar qualquer outro tipo de informação necessária – como mapas, endereços, sugestões de lugares, etc.

E você, quanto tempo gasta do seu dia usando o celular?

Por Matheus Camargo

Fontes: BusinesSinsider  e Inmobi


No último sábado (21/04), a empresa de anúncios Chitika realizou um estudo em tempo  real, cujo resultado foi bastante curioso. A pesquisa mostrou que os aparelhos com sistema operacional iOS têm muito mais uso do que os com a plataforma Android. O estudo foi realizado, com base em um panorama da empresa, com dados coletados em um período de 24 horas entre os dias 20 e 21 de abril.

De acordo com os resultados da pesquisa, a quantidade de venda de produtos com o sistema operacional do Google é muito considerável, porém a Apple ainda consegue ganhar de sua rival no número de usuários ativos, sendo os que possuem os dispositivos da marca, como iPhone, iPad e iPod. O estudo ainda apontou que o iPad vem se tornando um produto cada vez mais popular, devido à grande procura dos consumidores pelo dispositivo.

Segundo os números apresentados na pesquisa, 68% do tráfego de dados na rede móvel, durante o último fim de semana, correspondia ao sistema operacional da Apple, já a plataforma Android era de apenas 28% e o restante seria das demais plataformas como BlackBerry e Windows Phone.

Por Guilherme Marcon


A Universidade Rice, nos Estados Unidos, acabou de lançar (no dia 28 de março) uma memória transparente e flexível. Essa memória poder ser a solução para que possam ser criados celulares no estilo relógio de pulso.

O desenvolvedor e pesquisador do projeto, James Tour, químico da universidade, acredita que a criação de celulares que poderão ser enrolados no pulso poderá acontecer muito em breve. Além disso, as células de memória provavelmente substituirão as atuais memórias flash, assim como servirão para muitas outras utilidades.

A nova memória transparente não perde dados como outras memórias. Além disso, elas são menores do que as utilizadas atualmente em componentes de celular e outros aparelhos.

O mais relevante entre todas as qualidades da nova memória é o fato dela usar óxido de silício, que permite a combinação de eletrodos transparentes das telas sensíveis ao toque a outros componentes também transparentes e que já estão sendo usados em muitos aparelhos.

Por Raquel Torres C. Bressan


Recentemente um estudo feito pela revista New Scientist mostrou um dado interessante e curioso a respeito do comportamento das baterias dos smartphones em relação aos aplicativos.

Segundo o relatório que foi feito pela revista, os games que os usuários baixam de forma gratuita consomem mais energia do que os demais aplicativos.

Dois motivos são apontados pela revista para explicar este aumento do consumo de energia. O primeiro motivo é que os games gratuitos acabam exibindo propaganda durante todo o processo de execução do aplicativo, o que acaba consumindo mais energia do que se simplesmente somente o aplicativo estivesse aberto.

O segundo motivo é que estes games gratuitos também acabam acessando o dispositivo de GPS do usuário para coletar informações a respeito de sua localização, justamente por causa das propagandas, para que sejam exibidos anúncios mais próximos à realidade do jogador.

Por isso, uma boa dica para quem curte os jogos e quer economizar bateria é utilizar os aplicativos pagos.





CONTINUE NAVEGANDO: