Operadora não poderá bloquear a transmissão de dados dos clientes quando a franquia chegar ao fim

As operadoras foram autorizadas a bloquear a transmissão de dados do cliente quando este chegasse ao fim da franquia, mas o advogado Vinícius Koptchinski Alves Barreto, conseguiu uma liminar onde a TIM fica proibida de cortar o acesso 3G do cliente, quando este atingir o limite de sua franquia.

Quem deferiu a liminar foi o juiz Edmundo Lellis Filho, da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Santana, estado de São Paulo. A liminar determina que a TIM deverá continuar oferecendo o serviço, da mesma forma que era feito antes, porém, a TIM vai contestar a decisão do juiz. A TIM informou que assim que for intimida, irá recorrer da decisão da 1ª Vara Cível.

O que levou o advogado a entrar com este recurso foi o fato dele ser cliente da TIM e teve o serviço de dados bloqueado assim que ele atingiu o limite de sua franquia que é de 30MB. Até bem pouco tempo atrás, a lei determinava que ao atingir a franquia, a velocidade da internet deveria ser reduzida, mas o usuário continuava tendo acesso ao serviço, ainda que com uma velocidade reduzida.

A primeira empresa de telefonia móvel a adotar o corte da transmissão de dados para os clientes que atingissem o limite da franquia foi a Vivo, no final do ano passado. Em seguida a Claro e a Oi tomaram a mesma decisão e seguiram os passos da Vivo. Por último, veio a TIM, que também passou a bloquear a transmissão de dados para os usuários que já tivessem utilizado toda a franquia.

O número de reclamações por parte dos usuários foi tão grande que o Procon recorreu à Justiça, alegando que as operadoras de telefonia móvel mudaram as regras que tinham com seus clientes, o que é totalmente contra o que determina a Constituição Brasileira e do Código de Defesa do Consumidor.

Tanto a TIM quanto as demais operadoras alegaram que nos Estados Unidos e também na Europa é feito desta forma, com o bloqueio de quem atinge o limite da franquia.

O caso é polêmico, porque os usuários no Brasil continuam utilizando o serviço ao término da franquia, mesmo com velocidade reduzida. As operadoras querem bloquear o serviço para que os usuários possam adquirir novos pacotes.

A decisão do juiz Edmundo Lellis Filho poderá abrir caminho para que outros usuários entrem com a mesma solicitação.

Por Russel

3G da TIM


Com o corte da internet após o fim do limite da franquia, que vem sendo praticado gradativamente pelas operadoras de telefonia móvel do país desde dezembro de 2014, o consumo "consciente" do plano de dados tem se tornado mais do que necessário.

Selecionamos algumas atividades comuns nos celulares inteligentes com a medida de consumo de plano de dados delas. Um controle digital, da forma como alguns brasileiros começaram a adotar, nem sempre é necessário. O envio de mensagens pelo aplicativo WhatsApp, leitura de e-mails e navegar em redes sociais (de forma preferencial, sem acessar vídeos ou publicar imagens pesadas) não possuem a tendência de ultrapassar o plano de dados. Entretanto, caso o usuário possua um plano muito eficaz, o recomendado é não abusar e prevenir aplicações mais pesadas como a visualização de vídeos no YouTube ou músicas diretamente da internet. O Netflix também não pode ser acessado. O programa consiste no que mais consome dados.

O critério foi elaborado considerando somente a utilização da internet móvel via conexão 3G. Caso o usuário faça conexões em redes Wi-Fi que não estabeleçam limite de utilização de dados, não é necessário ter cautela com gastos de consumo. De acordo com estudo feito pela Ericsson, o Facebook é o aplicativo que possui a maior parte do tráfego de internet móvel no Brasil. No total, 28% das transmissões e dos envios de dados são realizados pela rede social. Na segunda posição está o Chrome, com 16%. Em seguida, estão o YouTube com 15%, WhatsApp com 13% e o Instagram com 6%.

A outra parte do tráfego é vinda de outros aplicativos, que possuem parcelas menores, totalizando 22%.

Com o a ampliação da oferta da rede 4G, de acordo com o levantamento, a tendência é que os vídeos tenham representatividade mais elevada no tráfego de dados móveis nos próximos seis anos. A previsão é que a operação tenha um crescimento de até 17 vezes neste período.

Por Felipe Couto de Oliveira

Internet em smartphones

Foto: Divulgação


Quais as principais diferenças entre a internet 3G e 4G? Comecemos pelo nome das redes: a que significa esse G? O que significa o número que aparece antes? Muito fácil: trata-se das gerações às quais pertencem as redes.

A primeira geração, 1G, foi a dos telefones analógicos; 2G a dos digitais. As seguintes gerações são a 3G, a mais utilizada agora, e 4G, a que está começando a ser implementada.

A velocidade é, com certeza, o principal diferencial oferecido (prometido) pela nova rede. A melhor forma para ter uma ideia da diferença entre ambos os tipos de redes é ver com exemplos práticos.

Por exemplo, queremos baixar em nosso celular um jogo de 20MB, qual seria a diferença? A média de download em 4G seria de 25 segundos, perante os 3 minutos que demoraria em uma rede 3G.

E se o vídeo que você quer estiver em alta definição? Aqui as coisas ficam ainda mais sérias: a 4G leva 30 segundos para carregá-lo, mas em uma rede 3G demorará entre 1,5 minuto. E sim, a conexão irá cair e as operadoras não podem simplesmente dizer que oferecem conexão 4G. 

Para uma operadora poder anunciar que dispõe de uma rede 4G, é necessário que os equipamentos que estejam usando o sistema atinjam velocidades de conexão entre 100 Mbps (em alta mobilidade) e 1 Gbps (em curto alcance da antena).

Os valores das tarifas serão também maiores para acessarmos as redes 4G. E outra coisa, as operadoras que oferecerem esse serviço deverão oferecer um mínimo aceitável de velocidade, que foi estipulado em 1mbs. As redes 3G de qualidade dificilmente operam perto disso.

Então, com o mínimo exigido de 1mbs para as redes 4G, o serviço já tende a melhorar muito. Em média, as operadoras anunciam velocidades em torno de 5 Mbps como o esperado de suas redes 4G.

Vamos aguardar 2015 quando novas redes entrarão em funcionamento para ver se tudo o que foi prometido será mesmo cumprido nas redes 4G. Os Smartphones agradecem.

Por Luciana Viturino

Foto: divulgação


Segundo o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), é possível acelerar a universalização dos serviços de 3G e 4G para a população. O projeto da agência prevê o acesso banda larga para diversas cidades em etapas. A primeira refere-se à tecnologia 3G, que tem meta de ser implementada até 2017, enquanto a 4G até 2019. Afirmou ainda que serão feitos estudos para que o prazo seja encurtado em 1 ou 2 anos para a tecnologia 3G e em 1 ano para a tecnologia 4G. O que representa um avanço para a tecnologia banda larga no Brasil.

Atualmente, o projeto encontra-se sendo elaborado para a realização de um leilão. As prestadoras que vencerem terão de implementar uma rede de fibra ótica e atender as especificações da Anatel.

A agência também quer diminui o número de orelhões e trocar por pontos de Wi-Fi para dar acesso à internet. As prestadoras devem baixar os custos da infraestrutura, pois a frequência de 700 megahertz terá um custo bem acessível. Há mais de 1 milhão de orelhões que estão sendo cada vez menos usados por conta do avanço da telefonia móvel.

A implementação faz parte das negociações para concessões das companhias que serão renovadas nos próximos anos. Em 2014 haverá consulta pública e vale a pena opinar quanto à ação das operadoras.

Por Robson Quirino de Moraes


As redes com alta velocidade de conexão estão começando a se familiarizar no Brasil e a primeira a conseguir isto foi a rede 3G.

Segundo pesquisa divulgada pela Huawei houve um aumento no uso deste tipo de rede em cerca de 84,1% com um total de 65,4 milhões de pontos conectados.

Além disso, ocorreu também um aumento de 58% na conversão de celulares com GSM para a rede 3G que está sendo muito impulsionada pelo aumento vertiginoso do número de smartphones no país que usam este tipo de tecnologia.

O próximo passo, agora, será o início da popularização com a rede de conexão de quarta geração que está apenas engatinhando nas terras brasileiras.

Por Ana Camila Neves Morais


Nesta última semana, o governo holandês realizou um leilão para a concessão de licença para conexão em redes 4G.

O leilão obteve um valor recorde de 3,8 bilhões de euros e irá causar uma grande competição no mercado de celulares neste país.

No seu final, foram adquiridas licenças pelas empresas Vidafone, Deutsche Telekom e KPN.

Devido ao elevado valor para as licenças obtido no leilão, a KPN informou que irá cortar o seu dividendo final neste ano além de reduzir o valor dos dividendos por ação para 0,03 euro.

Todas estas medidas foram feitas para que a empresa pudesse comprar suas licenças para conexão 4G, mas os analistas temem pela capacidade da KPN para pagar seus dividendos já que está assumindo uma dívida maior do que suas metas de lucros.

Fonte: Reuters

Por Ana Camila Neves Morais


A Nokia continua as suas inovações e apresentou o seu novo smartphone: o Asha 311 que tem um formaro elegante além da tecnologia Gorila Glass que evita arranhões no aparelho.

Outras características deste modelo são a tela em touchscreen com 3 polegadas, entradas para USB, suporte multitouch para jogos no celular, memória RAM de 140 MB, redes com conexão 3G e Wi-Fi. Além disso, o Nokia Asha 311 possui um cartão microSG com capacidade de 2 GB, detector de luz ambiente, filtro de polarização e sensor de proximidade.

Fonte: Letsgodigital.org

Com relação às tecnologias, este smartphone possui o sistema operacional Nokia Série 40, tem uma câmera com 3,2 megapixels de resolução além de permitir a visualização de vídeos por streaming.

Para aqueles que desejam ter um Nokia Asha 311 ele já pode ser adquirido com valores a partir de R$399,00 em lojas especializadas em eletrônicos.

Por Ana Camila Neves Morais


Como a rede 3G é só o que está disponível no Brasil, o segredo das operadoras agora é investir nessa tecnologia até que a 4G chegue ao nosso país, o que esperamos que aconteça rapidamente.

Segundo a agência de notícias Reuters, os terminais disponíveis para internet 3G aumentaram seu número em 4,62% em fevereiro de 2012, sobre o mês de janeiro. Quando comparou-se com o mesmo período do ano de 2011, percebeu-se que o número de acessos chegou ao patamar de 47,2 milhões.

A razão para isso ter acontecido é pelo aumento de investimento na área, principalmente com o aumento da oferta do serviço 3G no Brasil, de acordo com a Anatel.

De janeiro para fevereiro, o número de linhas ativas de celular no nosso país aumentou 0,99%, conquistando a posição de maior quantidade de novas habilitações para o mês de fevereiro nos últimos anos.

Com relação à competição das operadoras, a Vivo se sai melhor nesse serviço com uma participação de 29,85%. A Tim está na segunda colocação com 26,62%. Já a Claro está na terceira colocação com 24,66% e a Oi na quarta posição com 18,56%. Comparando com dados anteriores, houve quedas mínimas para a Vivo, a Tim e a Oi, sendo que a única que teve um pequeno crescimento foi a Claro.

Por Guilherme Marcon


Os preparativos para a Copa de 2014 seguem a todo vapor. Estádios estão sendo construídos, outros estão sendo retocados, hotéis estão sendo aprimorados e trabalhadores começam a ser selecionados e treinados.

Algo que não será possível melhorar é a qualidade da internet 3G no país. Ao menos é o que afirma a Teleco, empresa contratada para prestar consultoria nesta área.

As doze cidades que sediarão os jogos da copa não tem sinal, cobertura ou velocidade satisfatórios em nenhuma das quatro operadoras testadas (oi, Vivo, Tim  e Claro).

Apenas São Paulo e Porto Alegre se destacaram e Curitiba que ficou em terceiro lugar. Aparentemente neste quesito não há muito o que ser feito. 

Por Teresa Almeida


Uma boa notícia para os usuários de telefonia móvel no Brasil: a qualidade da internet 3G vai passar por uma séria análise. E, através de uma consulta, quem vai informar ao Ministério Público sobre a qualidade do serviço serão os próprios consumidores.

A iniciativa se deve ao grande número de reclamações recebidas pelo orgão público no estado quanto à qualidade do serviço.

A consulta está aberta à qualquer cidadão brasileiro, que poderá enviar e-mail ou carta ao MPF opinando sobre sua experiência.

A data limite para entrar em contato é o dia 18 de Maio. Além disso, contratos serão investigados, para saber se há cláusulas abusivas, ou ainda, propaganda enganosa.

Por Maximiliano da Rosa


Se você já testou a tecnologia 3G, deve estar fazendo essa pergunta ao saber do lançamento da 4G.

Os celulares 3G mostraram-se um tanto problemáticos, baixa velocidade e preços extremamente altos. O 4G promete velocidades de transmissão superiores aos celulares 3G, entre 20 e 40 megabits e além disso prometem tornar a transmissão de dados mais barata.

No Japão o 4G já é usado desde 2007. Vejamos se será bem sucedida por aqui também.

Por Vivian Aguiar





CONTINUE NAVEGANDO: