Mesmo que usuários não demonstrem muito interesse, a preocupação dos fabricantes continua sendo a segurança.

Com o lançamento do novo Galaxy Samsung Note 7, grandes fabricantes como a Samsung priorizam a segurança do comprador, mesmo que eles não pareçam tão interessados na hora de adquirir esse item. A UOL Tecnologia testou o novo top de linha da marca e garantiu que o aparelho continua potente e com as configurações mais modernas do mercado, tanto quanto o SZ, seu irmão de empresa.

Segundo a Samsung a tendência é que essa preocupação seja reforçada por causa da migração das grandes transações para o smartphone, como o Samsung Pay, mais uma aposta que a empresa vem acreditando. Com a intenção de passar à frente o Note 7 acrescentou o leitor de íris, um sistema de desbloqueio de dispositivos e aplicações, feito através do reconhecimento da “parte colorida dos olhos”.

De acordo com Renato Citrini, gerente de dispositivos móveis da Samsung no Brasil, essa tecnologia tornou-se 200% mais segura que o leitor de impressão.

Depois de realizar testes com o leitor de íris, o UOL Tecnologia afirmou que ele pareceu bastante ágil, bastando aproximar o rosto do aparelho, numa distância entre 25 e 30 cm, em menos de 1 segundo a tela desbloqueou. A empresa pretende usar a tecnologia em outras aplicações instaladas no próprio aparelho, inclusive já entrou em contato com bancos internacionais na tentativa de convencê-los a usar o scanner de íris para reconhecer usuários.

Essa técnica já foi utilizada pela Microsoft em 2015 no Windows Hello, somente para dispositivos com Windows 10. O que não significou muito para os smartphones, assim sendo a Samsung pode passar na frente e instalar de vez a ideia.

O melhor do mercado:

Além de tudo que já foi dito sobre o Note 7, ele ainda tem mais novidades a mostrar, como ser resistente a água e poeira, o aparelho suporta imersão de 1,5 m na água e pelo menos 30 minutos, levando junto sua caneta de digitação.

Recebeu design mais moderno, o que ajudou na sua pegada, mas continuou com a tela de 5,7 polegadas. A tela curva foi uma herança das versões Edge, a parte de trás também ganhou o mesmo toque. A duração da bateria passou de 3.000 para 3.500 mAh e carregador sem fio.

O Note 7 será comercializado no Brasil a partir da primeira quinzena de setembro com um preço meio salgado de R$ 4.299.

Por Ruth Galvão

Samsung Galaxy Note 7


Google está testando uma nova funcionalidade para o Google Now, seu assistente inteligente, Ele poderá fazer recomendações através do Foursquare.

Uma matéria publicada no The Verge, afirma que o Google está testando uma nova funcionalidade para o Google Now, seu assistente inteligente. A nova funcionalidade será voltada para smartphones do tipo Android e mostrará recomendações através do Foursquare.

O Google Now já e conhecido pelas suas dicas ao usuário, e parece que com a união com o Foursquare, o assistente ficará ainda mais completo.

Com as dicas, seria possível localizar lugares para comprar café, por exemplo.  Os usuários terão em mãos um excelente localizador, sem a necessidade de ter o Foursquare instalado no seu aparelho.

Mas a atualização parece que ainda não chegará a todos os usuários, sendo restrita somente para alguns modelos de Android. E ainda não há a informação se a funcionalidade será disponível para qualquer localidade ou somente para locais específicos.

Nenhuma das duas desenvolvedoras se pronunciou oficialmente sobre a união, mas um usuário americano do site VentureBeat, chamado Jordan Neovet, afirma que mesmo sem o aplicativo do Foursquare instalado em seu celular já consegue ter acesso as suas funcionalidades, através do Google Now, com dicas de restaurantes, cafés e até de parques próximos à sua localidade atual.

A novidade reviveu as especulações recentes, de que o Google pretende eliminar os outros aplicativos nativos do aparelho celular, fazendo com que o usuário utilize somente o núcleo de estratégias de pesquisa do Google. Com isso, o usuário teria muito mais informações e funcionalidades, sem a necessidade de sobrecarregar a memória de seu aparelho com diferentes aplicativos. É mais uma jogada da gigante da informática, para estar cada vez mais presente no cotidiano dos usuários.

É a tendência de aglutinar serviços, cada vez mais presente em diferentes áreas da tecnologia. Parece que no futuro teremos muito menos diversidade de aplicativos. Todos estarão integrados em um único serviço. Ao mesmo tempo que é prática, a iniciativa pode acabar com a concorrência, tão útil e que oferece tantas vantagens aos usuários.

Por Patrícia Generoso

Google Now  e Foursquare

Foto: Divulgação


Xiaomi firmou uma parceria coma empresa Foxconn para fabricar smartphones na Índia. Primeiro modelo desta união já foi lançado por lá: o Redmi 2 Prime.

A Xiaomi tem sido uma das empresas que mais tem conseguido espaço no concorrido espaço de smartphones principalmente, ameaçando até os gigantes do setor, como Apple, Samsung e LG. E a Xiaomi agora anunciou sua união à Foxconn, o que vai possibilitar a produção de novos smartphones na Índia que é um dos melhores mercados para a Xiaomi.

A empresa inclusive já está no Brasil, onde oferece aparelhos com boa configuração por um preço muito abaixo do que é praticado pelos concorrentes. Agora, com a união feita com a Foxconn, a Xiaomi vai disponibilizar no mercado indiano o Redmi 2 Prime, uma aposta da empresa para conquistar os clientes daquela região.

A intenção da Xiaomi não é somente conseguir uma fatia do mercado de smartphones na Índia, mas a empresa também busca cortar custos, pois sabe que para continuar trabalhando com seu plano de preços baixos precisa gastar muito pouco na fabricação dos aparelhos e a união com a Foxconn foi a melhor alternativa.

A Índia é o terceiro maior mercado de smartphones do planeta e toda empresa que quiser ficar entre as maiores, precisa ter seus smartphones sendo comercializados por lá, do contrário, vai ficar de fora de um mercado que não para de crescer.

Bem que a Xiaomi tentou ir sozinha para a Índia, mas não encontrou uma infraestrutura que atendesse suas necessidades. Outro problema encontrado foi em relação aos fornecedores que colocaram uma certa resistência da empresa no mercado indiano. Hoje, muitas empresas locais precisam buscar seus produtos na China e também Taiwan, mas a Xiaomi preferiu fazer uma parceria.

E na última segunda-feira, a linha de montagem localizada em Andhra Pradesh, lançou o primeiro modelo resultante desta união da Xiaomi com a Foxconn, o Redmi 2 Prime.

Desde o mês passado que a Xiaomi está na Índia, um mercado que oferece telefones baratos e repletos de funções, que garantem ótimas vendas. A população, principalmente a mais jovem, tem procurado estes aparelhos, que lhes dão acesso às últimas tecnologias sem precisarem gastar muito. E como a Xiaomi tem exatamente este perfil, de oferecer bons smartphones com preço mais em conta, acredita que vai ter muito sucesso nesta sua nova empreitada. A empresa, porém, preferiu não revelar o investimento feito em sua nova linha de montagem.

Po Russel

Xiaomi Redmi 2 Prime

Xiaomi Redmi 2 Prime

Fotos: Divulgação


A Nokia estaria procurando por um parceiro que assumisse a parte de produção, marketing, vendas e suporte aos clientes.

Quem não se lembra dos celulares clássicos da Nokia? Uma das primeiras empresas de telefonia móvel do mundo confirmou na noite de segunda-feira, dia 13, que pretende voltar ao mercado de celulares.

A fabricante tailandesa vendeu o negócio em 2014 para a Microsoft, depois de sucessivas quedas nas vendas. Um dos modelos de smartphone lançado pela parceria é o Nokia Lume, que arrebatou uma multidão de milhares de fãs ao redor do mundo.

Na semana passada a Microsoft acabou por demitir cerca de 7,8 mil funcionários ao redor do mundo. Fontes confirmam que o foco dos funcionários demitidos seriam os ex-funcionários da Nokia que foram incorporados ao corpo de funcionários da Microsoft. As demissões dos funcionários da Nokia seria um dos primeiros indícios de que a parceria Nokia/Microsoft teria chegado ao fim.

Segundo a assessoria de imprensa da Nokia, a empresa estaria procurando por um parceiro que assumisse a parte de produção, marketing, vendas e suporte aos clientes. A previsão da fabricante é que o seu novo modelo de celular chegue ao mercado depois do quarto trimestre do ano de 2016. Logo após a parceria firmada com a Microsoft permitir que a Nokia utilize novamente a sua marca.

Se a Nokia se firmar novamente no ramo de celulares, pode ser uma forte concorrente para as marcas já conhecidas atualmente, pois é uma marca que possui o respeito dos clientes pelos clássicos celulares já conhecidos por sua resistência.

Se os novos celulares da marca aliarem boa resistência e um design inovador com certeza a marca voltará ao mercado com uma excelente aceitação do público, pois uma das maiores reclamações dos usuários de smartphones é a baixa durabilidade ou a fragilidade de seus aparelhos. Como a Nokia tem uma vasta experiência com aparelhos de boa resistência e pode ter absorvido detalhes importantes de design com sua parceria com a Microsoft, fica a pergunta: será que a nova geração de celulares fabricados pela Nokia irá aliar o que há de mais moderno com alta resistência? É isso que os fãs saudosos da marca esperam com esse anúncio da volta da Nokia ao mercado.

Por Patrícia Generoso

Smartphones da Nokia

Foto: Divulgação


Nova revelação da Samsung será capaz de dobrar o tempo de duração das baterias dos smartphones.

Apesar do avanço dos smartphones, um dos problemas que mais incomodam os usuários é o pouco tempo de duração da bateria. Os celulares evoluíram muito nos últimos anos, tornaram-se minicomputadores e as baterias não acompanharam esta evolução, para tristeza de milhões de pessoas em todo o mundo que precisam recarregar o aparelho constantemente.

Mas o problema pode estar com os dias contados, pois a Samsung anunciou uma nova técnica, capaz de dobrar o tempo de duração das baterias dos smartphones.

A sul-coreana, para conseguir este prodígio, conseguiu desenvolver uma tecnologia que está diretamente ligada ao depósito de camadas de grafeno nas superfícies de silício da bateria do smartphone. Graças a esta descoberta, foi possível garantir muito mais densidade energética ao aparelho, fazendo com que a capacidade das baterias que forem fabricadas com este método possa garantir uma capacidade até 2 vezes superior às baterias tradicionais.

O "grafeno" consegue apresentar uma resistência muito grande e ao mesmo tempo ser muito leve e para completar, é um dos melhores condutores de eletricidade e também de calor. O grafeno é composto de carbono e é da família do diamante e também do grafite.

Agora, utilizando esta nova técnica, a Samsung dá um importante salto no avanço da tecnologia das baterias dos smartphones que estava estagnada há tempos.

A Samsung conseguiu aumentar o tamanho da capacidade das baterias dos smartphone, no entanto, precisará aumentar  seu tamanho físico, o que é de fundamental importância para os novos aparelhos que estão cada vez mais finos e menores.

O único problema é que esta nova tecnologia não vai estar disponível, por enquanto, pois de acordo com a própria Samsung, ainda vai ser preciso uns 3 anos para implantar todo o projeto. Até lá, os smartphones continuam com as mesmas baterias, mas só o anúncio da Samsung já serviu de consolação para os milhões de usuários em todo o mundo que não veem a hora de terem esta nova bateria em seu aparelho. Só que a Samsung não informou se a nova bateria seria compatível com os antigos smartphones ou se os usuários teriam que adquirir um novo smartphone para ter a bateria com o dobro de tempo da duração.

Por Russel

Carga bateria de smartphones

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: