Aplicativo Secret é proibido no Brasil

  

  

O Secret, aplicativo disponível para Android e iOS direcionado à publicação – de forma anônima – de segredos por seus usuários, está com seus dias contados. Pelo menos em território brasileiro, o aplicativo não poderá mais ser disponibilizado pelo Google Play e App Store, lojas de aplicativos dos dispositivos Android e Apple, respectivamente.

A proibição ocorreu após o Ministério Público do Espírito Santo ter o seu pedido atendido pela justiça. Na solicitação, o mesmo alega que, perante à Constituição Brasileira, todo cidadão têm direito à sua privacidade, além da proteção de sua imagem e honra. Adicionalmente, o anonimato – seja em qual âmbito for – também é proibido.


O que mais chama a atenção para o Secret é que não há como se defender de possíveis postagens e fotos constrangedores, publicadas por anônimos. No aplicativo, qualquer pessoa pode ter sua privacidade quebrada e sua honra ferida, mesmo que não faça parte do rol de usuários. Muitos descobrem que possuem suas intimidades reveladas no app por meio de outros usuários.

Outro aspecto que merece atenção é a utilização do aplicativo dentro das escolas. Algumas insituições alegam não conseguir controlar os alunos e, consequentemente, as situações constrangedoras motivadas pelo uso do aplicativo.

A App Store já retirou o aplicativo de sua loja. Ao tentar fazer o download do Secret na última sexta-feira (21), os usuários brasileiros foram surpreendidos pela seguinte mensagem: "O item que você tentou comprar não está mais disponível." Em contrapartida, no Google Play ainda é possível fazer o download do app.

  

É importante dizer também que a decisão vale, inclusive, para o aplicativo Cryptic, disponibilizado pela Motorola. O funcionamento do app é semelhante ao do Secret.

Ambas as lojas deverão cumprir com a decisão – publicada e assinada pelo juiz Paulo César de Carvalho na última terça-feira (19) – em até 10 dias. Caso contrário, cada empresa deverá arcar com uma multa diária de R$ 20 mil.

Vale salientar que tais proibições, por estarem previstas apenas na Constituição Brasileira, são válidas apenas para as contas brasileiras. Usuários com contas registradas em outros países poderão baixar o Secret normalmente.

Por Tatiane de Andrade Matos

Foto: divulgação

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *