Foaster é o nome do novo aparelho capaz de recarregar baterias de smartphones e tablets. Modelo tem formato similar ao de uma torradeira e tem quatro entradas que aceitam diversos tipos de cabos.

No mundo contemporâneo, cada vez mais as pessoas estão utilizando Smartphones e Tablets no seu cotidiano, tendo em vista o grande número de funcionalidades e facilidades que estes aparelhos oferecem aos seus usuários, contudo um problema que sempre foi muito questionado por estes usuários é o pouco tempo de duração da bateria destes aparelhos.

A fim de facilitar a vida de muitos usuários, chegou ao mercado mais um produto inovador para simplificar o carregamento de Smartphones e Tablets, este aparelho foi batizado com o nome de Foaster. Ele tem um formato similar ao de uma torradeira e tem quatro entradas, as quais aceitam diversos tipos de cabos.

O Foaster é compatível com os aparelhos que utilizam os sistemas operacionais Android e iOS, este carregador foi desenvolvido por meio de uma bateria que fica em sua parte inferior e possui quatro saídas do formato USB, fator este que permite com que ele seja compatível aos diversos tipos de entradas dos dispositivos que são encontrados no mercado precisando apenas da utilização de um adaptador se for o caso.

Além de ter entradas diferentes, este aparelho é capaz de regular automaticamente a tensão e a corrente de suas saídas de energia, assim garantindo que os aparelhos não sejam danificados, bem como o carregamento de diversos tipos de dispositivos de maneira correta.

A empresa fabricante do Foaster garante que a grande vantagem de se ter um aparelho deste é o fato de que ele só precise de uma tomada para fazer o carregamento de vários aparelhos, fator este que diminui sobremaneira a quantidade de fios necessários para carregar estes aparelhos.

Por enquanto, o Foaster ainda não está disponível para comercialização, nem tão pouco há uma estimativa do preço em que ele irá chegar ao mercado quando for lançado, todavia para aqueles usuários que já se interessaram pela novidade, estes já podem acessar o portal eletrônico oficial do produto que é o www.foaster.com e fazer o cadastro, uma vez que dessa forma a empresa fabricante irá disponibilizar todas as informações a respeito das datas de pré-venda, bem como do lançamento do Foaster.   

Por Adriano Oliveira

Foaster

Foaster

Fotos: Divulgação


Apenas 11,5% dos domicílios brasileiros usam tablets e smartphones como únicas maneiras de acesso à internet.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013, no Brasil, o computador era o aparelho mais usado pelo brasileiro para acessar a internet, porém, tablets e celulares já são usados por 11,5% dos domicílios brasileiros como únicos aparelhos que acessam a internet; dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD).

Conforme apontou a técnica de coordenação de rendimento e trabalho do IBGE, Jully Ponte, ainda assim, o Brasil, em relação ao percentual de residências que têm acesso à internet (48%), está atrás da média apurada nas Américas (54,6%) e na Europa (76,2%); o levantamento foi realizado pela União Internacional de Telecomunicações (UTI, sigla em inglês).

Ainda sobre o uso de tablets e celulares, a região norte do Brasil é a que tem o maior percentual de acesso à rede através desses aparelhos; destaque para os seguintes estados: Roraima, Amapá, Sergipe, Amazonas e Pará. Os dados são da última pesquisa, realizada em 2013, mas conforme apontou a Jully Ponte, foi observado em 2014 um grande aumento no comércio de smartphones, o que leva a crer que o aumento no percentual de acesso à internet exclusivamente através dos supracitados aparelhos seja ainda maior.

Quanto às formas de conexão, cerca de 30 milhões de domicílios usam a banda larga para se conectarem, mas ainda assim a velha conexão discada ainda encontra espaço no mercado, tanto é que em 750 mil casas esse método de acesso à internet é usado.

Quanto ao uso da banda larga, 77% tem algum ponto fixo; a região norte é o único local do Brasil que a banda larga móvel é mais usada do que a fixa. Quanto ao acesso por parte dos brasileiros, a população de baixa renda, aquela que as pessoas recebem até um quarto do salário mínimo, tem 49,1% com acesso rotineiro à internet, enquanto que as pessoas que faturam mais de dez salários mínimos acessam a rede de forma rotineira, o equivalente a 95,7% da "classe".

Por Vinícius Cunha

Internet em tablets e smartphones

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: