Brasileiros estão mais propensos a mudar de operadora de telefonia móvel

  

  

O brasileiro está mais exigente quanto ao serviço das prestadoras e busca sempre uma alternativa quando a qualidade não é tão boa quanto o esperado. Uma pesquisa feita pela fabricante de peças e aplicativos de infraestrutura da Nokia em 11 países, incluindo o Brasil, mostrou que nós estamos mais propensos a trocar de prestadora. Ao todo, mais de 12 mil usuários foram entrevistados nos 11 países, dos quais 1,98 mil foram brasileiros que usam smartphone ou tablet.

Dentre os dados levantados no estudo está a demanda de clientes, dos quais 67% do total mudaram de operadora nos últimos cinco anos. Além disso, 48% dos entrevistados estão dispostos a trocar de operadora nos próximo 12 meses, o que representa um valor acima da média mundial, que é de 40% e superior a países como Estados Unidos e Rússia, cujo percentual é de 27%.  Segundo a pesquisa, 63% dos brasileiros entrevistados fazem uso de banda larga móvel em seus smartphones, dentro ou fora de casa e que deste total 82% são de aparelho pré–pagos.


O principal motivo que leva os brasileiros a trocarem de prestadora é a má qualidade dos serviços, o que representa um total de 41%, um número inferior a países como Espanha, Estados Unidos e Itália, cujo percentual é de 29%. Cobranças indevidas são relevantes para 33% dos entrevistados brasileiros, que não veem problema em se desvincular de uma prestadora que realiza cobranças abusivas. Vale ressaltar que após a privatização da Telebrás as empresas brigam por clientes, mas agora terão de brigar com novas armas e uma delas é a qualidade nos serviços prestados.

A pesquisa apontou ainda que o número de usuários conhecidos como heavy users tem aumento. Eles são usuários que possuem conhecimentos mais avançados quanto à tecnologia que estão usando várias funções disponíveis nos gadgets, como acesso a redes sociais, navegação na internet, pagamentos e consulta de saldo pelo aparelho, além do uso de aplicativos de realidade aumentada. 

Por Robson Quirino de Moraes

  

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *